Conheça os fatos mostrados em Chernobyl, da HBO

A HBO conseguiu trazer um retrato fidelíssimo do desastre nuclear de Chernobyl em sua série homônima que deve receber todos os grandes prêmios da temporada.

A maioria dos eventos foi recriada com precisão minuciosa, além de todo o cuidado estético com a recriação de cenários e figurinos idênticos. Essa atenção deixou a série já bastante distinta em primeiro momento. Entretanto, em relação a recriar os fatos, Chernobyl trouxe retratos crus e densos sobre uma tragédia monumental.

Separamos cinco fatos que foram exibidos de forma fiel na série. Confira:

Evacuação de Pripyat

O governo soviético demorou muitas horas até reconhecer a gravidade mortal do desastre nuclear. Nisso, os cidadãos da cidade próxima da usina, Pripyat, acabaram “presas” na região da cidade para que a história não se espalhasse por outros territórios. Somente depois de um dia inteiro com o reator exposto emanando altas doses de radiação que o governo decidiu evacuar a cidade com urgência, mas até aí, já era tarde demais para diversas pessoas.

Desinformação inicial

Em questão de minutos da explosão, diversos bombeiros foram enviados para apagar o fogo que consumia o prédio do reator exposto. Esses bombeiros, que mal tinham qualquer conhecimentos sobre radiação, não imaginavam que estavam todos ceifando suas próprias vidas ao ficarem tão próximos dos detritos da explosão. Em questão de duas semanas, todos morreram. Inclusive diversas enfermeiras e médicos que os atenderam no pronto socorro, além de inúmeros cidadãos que se aproximaram da usina para ver o trabalho da contenção das chamas.

Informação manipulada

O governo soviético emitiu avisos falsos para a população local, além de ter divulgado ao resto do mundo que a radiação emitida por Chernobyl era desprezível, tendo o mesmo grau de ameaça que a radiação emitida por raio-x. Isso só foi desmentido quando significativos níveis de radiação foram encontrados em países vizinhos.

Custo humano

Em diversos momentos de Chernobyl, os principais personagens refletem sobre a quantidade massiva de pessoas que tiveram de sacrificar suas vidas para conter a radiação da usina. Não somente os bombeiros e os enfermeiros, mas bem como os mineiros que escavaram um túnel enorme abaixo do reator 4 para que o material não entrasse no lençol freático causando uma nova explosão, além dos “biorrobôs”, os limpadores dos telhados contaminados por gigantescos pedaços de grafite extremamente contaminados. Expostos por apenas 90 segundos a cada turno, mais de 3 mil homens foram usados para receber doses letais de radiação que com certeza encurtaram significativamente suas vidas.

Legado desastroso

O modo que a União Soviética tratou o acidente nuclear pode facilmente ser encarado como desastroso. Na obsessão completa para afirmar a eficácia e a completa falta de falhas do modelo soviético, o sistema coibiu, silenciou e proibiu qualquer tipo de ação que afrontasse essa percepção política incoerente. Por conta de tantos atrasos e falta de recursos, Chernobyl ceifou diversas vidas, mudou a história da Ucrânia, permitiu diversas anomalias congênitas em novas gerações por conta da radiação, além de ser uma preocupação eterna da humanidade, afinal foi recente que um novo sarcófago de contenção foi instalado na usina, sobre o anterior feito de concreto que já estava muito deteriorado por conta dos 30 anos de exposição.

Chernobyl está em exibição na HBO às sextas.

Deixe um comentário